Homem, não dê parabéns às mulheres. Junte-se a elas!

bazar

Você daria parabéns a alguém que protesta? Pode até se compadecer da reivindicação, concordar com sua luta, mas dar parabéns é algo meio sem nexo, não? Por isso, não dê parabéns às mulheres neste e nos próximos dias 8 de março. Na verdade, a data é simbólica. O Dia Internacional da Mulher já foi 19 de março na Alemanha, Áustria, Dinamarca e Suíça – isso quando instituída a data após reunião ocorrida em Copenhague, em 1910. Portanto, o dia específico pouco importa! O que interessa é a ideia.

Originário dos protestos por melhores condições de trabalho e direito ao voto feminino, o Dia Internacional da Mulher também deu origem à Revolução Russa em 1917, que derrubou o czar Nicolau II, último imperador da Rússia, e instituiria o governo soviético. Por isso, tem sua raiz nos partidos comunistas e socialistas. No Brasil, não é diferente. Não à toa, passeatas foram organizadas pelas principais ruas das cidades (entre elas, Porto Alegre) neste 8 de março. O que me surpreende é que o enfoque jornalístico a estas manifestações ainda esteja viciado ao boletim de trânsito. Ok, é informação importante a quem trafega pela Capital, mas e o simbolismo da data? Cadê o resto, e mais importante: a pauta reivindicada? Se a origem do Dia Internacional da Mulher é o protesto, por que recriminá-lo? Por isso, repito: não dê parabéns às mulheres. Junte-se a elas! Apoie-as!

De nada adianta homenagear, dar espaço e voz às mulheres somente no dia de hoje. Segundo o IBGE, 51,4% da população brasileira é formada por mulheres. Se são maioria, aonde elas estão que não ocupam mais governos, prefeituras, secretarias e ministérios? Antes que você abra a boca, não, não é por falta de preparação ou capacidade intelectual. Acontece que seguimos com conceitos pré-moldados de que a mulher é sensível, frágil, histérica quando nervosa, subalterna, inferior ao homem – sintetizada na frase preconceituosa do “isso não é lugar para mulher”. O lugar para a mulher é aonde ela quiser: política, futebol, administração de empresas, escolas, hospitais, tribunais, redações jornalísticas e até na cozinha (se assim ela desejar). Isso é o feminismo. Ele que garantiu o direito ao voto, o direito a vagas no mercado de trabalho, a salários equivalentes, etc. Não se trata de uma guerra entre sexos, mas de um grito por igualdade, liberdade, independência e respeito. Mas como disse Simone de Beauvoir: “Nunca se esqueça que basta uma crise política, econômica ou religiosa para que os direitos das mulheres sejam questionados. Esses direitos não são permanentes. Você terá que manter-se vigilante durante toda a sua vida.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s