A dívida que eu não paguei no Rio de Janeiro

 

20170415_115130.jpg

Resolvi passar parte das minhas férias no Rio de Janeiro. Paguei tudo à vista – desde as passagens compradas com meses de antecedência, quanto a reserva do hotel, quanto a bebida ou os almoços que consumi durante esses dias de estadia. O que não consegui pagar foi a dívida que a cidade tem (o Brasil tem, de um modo geral). E talvez nunca se pague por isso: o povo negro segue em condições subumanas e a distância de tratamento e de condições de vida é abissal.

Como turista, visitei a Praça Mauá e o Porto Maravilha, no Centro Histórico do Rio, que foram revitalizados para receber os Jogos Olímpicos em 2016. Eis que fui saber que este mesmo local, que hoje ostenta a frase “RIO_TEAMO“, serviu como porta de entrada para os negros que eram trazidos à força da África e vendidos como escravos na então capital federal brasileira. Foi o maior porto negreiro das Américas! Isso já serviria para deixar qualquer consciência pesada – mesmo de não cariocas, como eu. Contudo, basta seguir caminhando pela cidade para concluir que 1888 só fez cócegas na realidade nacional. A escravidão ainda deixa suas marcas expostas, em uma dívida gigantesca que, para ser paga, será preciso zerar a conta praticamente. Onde a meritocracia demorará a chegar. Segundo o censo do IBGE de 2010, 48% da população do Rio de Janeiro (capital) é de negros ou miscigenados. Na zona sul, nos bairros de Copacabana, Leme, Ipanema, Leblon, etc, esta conta cai para 17%. Ou seja, eles estão concentrados na zona norte e, principalmente, na região dos morros. Literalmente, foram marginalizados – estão à margem da sociedade (ou do Centro, das zonas onde o dinheiro se concentra). Acontece que, mesmo que alforriados há mais de um século, os negros não são aceitos de imediato no meio social. Ainda são quem mais é abordado pela polícia, quem mais rende olhares de desconfiança na praia, quem mais tem de trabalhar e ao mesmo tempo quem menos recebe.

Dei-me conta disso quando, dando continuidade às minhas férias, deitado nas areias do Leblon, percebi que eu era uma das pessoas de tom de pele mais escuro naquele perímetro. Enquanto que, o cálculo se invertia quando observava os vendedores ambulantes, ou o pessoal das barraquinhas de aluguel de cadeiras e guarda-sol. Acontece que, mesmo depois de 1888, o negro ainda é quem ocupa o lugar de serviçal. Ainda é quem, em pleno feriado, caminha no sol para que o branco se divirta na beira do mar. Ainda perambula nas ruas sem ter o que comer. E, quando pede esmola, é enxovalhado. Mas se, por fome, ataca, é preso ou morto. No restaurante, vi babás negras almoçando com os filhos brancos dos patrões – tal qual amas de leite. No hotel, quando a porta do elevador se abriu, foi um negro quem pediu para segurar minha mala enquanto eu rumava para fechar a conta no guichê. Mas essa conta eu não vou conseguir pagar. É uma realidade triste e que talvez não mude tão cedo – ainda mais se você continuar fazendo de conta que não acontece, empurrando essa dívida para outras gerações pagarem.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s