Atenção! A implosão de Temer não pode ser a implosão da democracia

bazar.jpgNão há motivos para festejar. A bomba que caiu sobre Brasília neste 17 de maio de 2017 é motivo de preocupação para todos nós, coxinhas, mortadelas ou o que seja. Não quero dizer com isso que devamos ignorar a crise política e manter Michel Temer na presidência da República pelo bem da recuperação econômica – como já sugeriram alguns anteriormente. O mais novo escândalo (agora com direito à gravação) merece ser tratado com rigor, sim: saída imediata do presidente, seja por renúncia ou por impeachment. Mas e aí, o que será feito depois? É preciso atenção! O momento delicado que vive o Brasil é um prato cheio para quem odeia a democracia. Não faltarão adeptos do velho pensamento mágico: “ah, se os militares estivessem no poder…“. De fato, se os militares estivessem no poder, a imprensa jamais teria publicado a notícia desta noite. Não por que a corrupção estivesse findada. Não! Simplesmente porque estaríamos todos de olhos vendados e com mordaças sobre a boca (talvez literalmente!). Ou você acha que as empreiteiras agiram licitamente na construção de obras faraônicas, como a Rodovia Transamazônica, nas décadas de 60 e 70?

Pela legislação nacional, com um possível afastamento do presidente, Rodrigo Maia (do DEM, presidente da Câmara dos Deputados, e pertencente à base governista de Temer) assumiria a cadeira e convocaria eleições indiretas. Ou seja, deputados e senadores escolheriam o novo presidente. Não eu ou você! Mais ou menos como colocar um grupo de raposas a cuidar da porta do galinheiro. Por exemplo, o que os impediria de um grande conchavo, como os já feitos atualmente? Ou pior: mudar as regras do jogo e esta pessoa eleita ficar por mais 4 anos, adiando o pleito agendado para 2018. Mas enfim, se é para ser inconstitucional, digamos que a melhor saída seja eleições gerais e diretas. Pois bem, neste caso, as últimas eleições municipais já deram pequenas amostras do que pode vir pela frente: uma grande desilusão com a classe política e a famosa frase de que são todos “farinha do mesmo saco“.

Dos consagrados, Aécio Neves (PSDB) é carta fora do baralho até no próprio partido depois de também ter sido gravado. Para Lula (PT), seria questão de tempo até o próximo pedido de impeachment. Marina Silva (REDE) mudaria de opinião quantas vezes sob a batuta dos líderes religiosos? E então voltemos aos saudosistas verde-oliva: aqui entra Jair Bolsonaro (hoje PSC). O “mito” dos preconceituosos e truculentos – que parece engraçado quando retratado por programas humorísticos – tem sérios problemas em lidar com o contraditório. Seria este o apaziguador da democracia brasileira? Óbvio que não! Aí entram os “outsiders“, aqueles fora do bojo político. Alguém que você nem imagina, talvez alguém que você nem conhece, pode ser o novo presidente da República daqui alguns meses. Esta pessoa pode estar sentada ao seu lado agora. Ou apresentando o programa de TV que você sabe que existe, mas nem assiste. Pode ter dado entrevistas durante o programa esportivo do final de semana e até feito um gol importante de repente. Pode ter sido cirurgião plástico, juiz federal ou palhaço de circo. Por isso, não se pode nem brindar a queda iminente de Michel Temer. Tempos difíceis ainda estão por vir!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s