Um mês sem a ficha cair

bazar

Hoje faz um mês. Dizem que a ficha um dia vai cair. Mas o que isso significa? Ouvi teu nome completo nas rádios, vi tuas fotos no jornal e até um vídeo em que tu aparece na televisão. Parece mentira! Às vezes cruzo em frente ao teu prédio, achando que vou te abanar no portão e receber um convite: “E aí, bugrinho, quando é que vamos fazer um churras?!“. No último protesto parei na esquina, com uma garrafa de cerveja na mão, acendi um cigarro em tua homenagem e fiquei te esperando passar. Não vieste! Cheguei a ouvir tua voz perfeitamente gritando junto com todo mundo: “Fora Temer! Fora Temer!“.

Não te culpo pela ingenuidade. A vítima nunca é a culpada! Nem sinto raiva de quem te arrancou à força do mundo. Aliás, consigo te imaginar sentado na mesa de um bar, às risadas (e ouço a tua gargalhada), contando como foi que escapaste dessa enrascada. Seu louquinho! Por isso, não brado pela pena de morte – sei que tu também era contrário a ela. Queria que o M.S.M (25 anos) – conforme a polícia divulgou – entendesse a bobagem que ele fez. Que se arrependesse de ter nos privado de conviver mais um pouco contigo. Quem sabe ele próprio, se tivesse ficado mais algumas horas, dias, semanas e meses ao teu lado, iria aprender como a vida merece ser plenamente vivida. Este é o ensinamento que me passaste, mesmo sem querer. Deu vontade de ir à praia? Vamos! Está de folga no final de semana? Vamos ao Uruguai! Ou ao Rio de Janeiro! E nem adianta marcar hora, porque tu sempre chegaste atrasado. Dorminhoco! Sou uma pessoa melhor graças ao tempo em que pude conviver contigo. Uma pessoa mais tolerante, feliz, com a mente aberta…

Não adianta! Por mais que eu tente imaginar como seria o último mês contigo ainda presente, penso que estarias menos alegre. Aconteceram algumas coisas por aqui que tu não concordas. O cerco está se fechando! As pessoas estão cada vez menos parecidas contigo – menos ingênuas, mais intolerantes, odiosas, caretas… Falei para tua mãe e repito: não pertencias a este mundo! E como era bom quando tu me convidava para entrar neste teu mundo diferente, nem que fosse por algumas horas. Uma cervejinha gelada no congelador, uma música de fundo no radinho ao lado da cama, a televisão no mudo e a porta da sacada aberta para entrar um vento. Assim te imagino descansando para sempre. Mas se quiseres reaparecer e contar que tudo foi mentira, fique à vontade: tem Comitê Latino-Americano nesse final de semana!

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s